Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Extermínio de Pensamentos

É um desatino que para aqui vai...

Extermínio de Pensamentos

É um desatino que para aqui vai...

23
Out18

É com cada coincidência

Terminatora

Dados os últimos acontecimentos, andava ontem à procura de um filme com que me pudesse animar, ou ajudar a deitar todas as mágoas para fora. Depois de ver vários que não me chamavam minimamente a atenção, parei num de Keanu Reeves e Winona Ryder - Destination Wedding. 

 

Eu por ver o nome, pensei logo, alguma piroseira sem muita graça, mas li mais ou menos o resumo e pareceu engraçado. Decidi carregar no play, pensando que me ia desmanchar em lágrimas todo o filme... Mas para meu espanto, ri-me imenso. Este não é o típico romance ou a típica comédia romântica. Tem ironia, sarcasmo, cepticismo, frieza, negatividade, mas também tem esperança, transparência, falhanços e positivismo. Estão bem patentes nos personagens e são elas também o oposto uma da outra. São personagens estranhos, carracundos e sem esperança na humanidade. Já para não dizer que são dois actores fabulosos e interpretam na perfeição estes desajeitados. 

 

Não é filme para o gosto de qualquer um, provavelmente se eu estivesse numa fase muito animada da minha vida, iria achar o filme completamente aborrecido, mas identifiquei-me imenso com todas as conversas das personagens e só quem já viveu algo parecido, consegue se rir do que acontece, pois de certa forma reve-se naquelas duas personagens. 

 

Achei bastante irónico também dar com o filme especialmente agora (!).

Enfim, eu recomendo vivamente a quem não perdeu a coragem de entregar seu coração apesar de todas as desilusões, que já sabemos de antemão, poderão acontecer. E mesmo assim, não enterrar esse sentimento bonito que é o amor. Não vou partilhar o trailer, acho que isso estragaria.. Eu não o vi antes de assistir ao filme, acho que se assim fosse, não o teria visto. 

 

 

 

09
Out18

Desculpa mas...

Terminatora

Não me voltarei a anular. 

Não voltarei a recuar.

Não voltarei a dar sem receber.

Não voltarei a me esconder da multidão. 

Não voltarei a desacreditar o amor.

Não perderei a esperança de um amanhã melhor.

Não desistirei de querer ser mais. De querer ter mais.

Não me darei por vencida, nem que seja a última batalha.

Não me esquecerei de dizer basta. 

 

 

08
Out18

Do meu terraço vejo estrelas

Terminatora

Já é noite e posso passar à minha parte favorita do dia quando o céu está limpo. Deito-me no chão e deixo-me embalar pela imensidão que desce sobre mim. 

Meus olhos não conseguem alcançar o quanto gostaria, mas é tão intensa a sensação de mergulhar num mar de estrelas, que me parece que vejo mais e mais além. 

Sinto um enorme regozijo e deixo-me ficar assim, sem pensar. Apenas observo. Absorvo e deixo-me dominar pela calmaria da luz que vem de cima. Tento lhes tocar. Por momentos pareço conseguir agarrar um punhado delas, mas fogem-me antes que lhes possa sentir. 

Então fecho os olhos e aí posso tudo. Consigo sentir como irradiam uma luz calorosa à medida que flutuo entre elas, à medida que aproximo minha mão delas. Queria poder viver aqui. Queria poder ficar aqui para sempre e não voltar para baixo. 

Mas agora, queria só por um momento, voltar a esse terraço onde me deitei muitas noites, onde me sentei, onde chorei e cantei de alegria.. Onde só as estrelas me ouviram e abraçaram...

05
Jun18

A tomada de consciência

Terminatora

Apesar de estar ausente aqui, eu estou sempre atenta. Atento sempre ao que se está passar ao meu redor. Presto atenção ao que vai passando para o mundo, noticías e não-notícias. Acontecimentos e desastres. Estou bem atenta e vejo, mesmo quando para meu bem, eu finjo não ver. 

Eu preocupo-me. Preocupo-me demasiado até, com assuntos que não me afectam directamente, afligo-me por ver o outro em apuros. Aflijo-me bem mais do que na verdade gostaria e revolto-me bem mais do que devia. 

Eu já devia saber que mais de 95% das pessoas só pensa no seu umbigo, são marionetas das instituições e do sistema. São essas que influenciam outras e outras e outras... Formando assim um ciclo vicioso de violência psicológica que nunca mais terá fim. 

Eu sonhei, sonhei que continuaria a defender essas pessoas violentadas e que só haveria amor para dar. Sonhei que as pessoas não seriam mais manipuladas e elas andariam de braços dados com seus outrora concorrentes. Sonhei que todos estavam felizes, simplesmente a trocar sorrisos e risos, e estórias e beijos. Não seria preciso mais nada para que pudesse haver plena felicidade, além do amor. 

 

O amor seria a resposta que todos procuram. O amor seria aquilo que eles queriam. Mais que uma carreira bem sucedida, mais que um carro ou vestidos de 500 euros. Mais que bens materiais... O amor seria o único objectivo a alcançar. 

O amor seria a resposta de todas as questões que nos consomem e não sabemos responder. 

O amor é a resposta a todas as questões.

 

 

23
Abr18

Se

Terminatora

Se há uns tempos me sentia apática e sem vida; apenas mais um ser entre esses tantos que por aí vagueiam, deambulam qual zombies e autómatos. 

Se eu disse que não sentia nada, que não conseguia criar laços duradouros, que não conseguia me dedicar inteiramente a outro ser.

Se eu disse que não voltaria a amar outro ser, que não me comprometeria com o destino, que esqueceria o que é isso de querer construir vida com alguém.

Se eu disse que não falaria de sentimentos e desejos, que não mostraria meu lado fraco e vulnerável, que não daria passo em frente, que não me aproximaria.

Se eu disse que iria banir do futuro tudo o que pudesse desencadear tais pensamentos furiosos, que queria inverno e outono para sempre, que não queria de forma alguma voltar a sentir tormentas.

Se disse tudo isso, se tentei ser alguém que não eu, se quis banir tudo de bom que havia no futuro, se quis esquecer o quão importante é ter alguém que nos OLHE e VEJA de verdade, foi porque não estavas no meu passado. 

29
Dez17

E para o ano...

Terminatora

Vamos melhorar o que não conseguimos este ano.

Vamos continuar a querer fazer mais e melhor.

Vamos aprender, viver e trabalhar.

Vamos nos manter positivos, nada dura para sempre seja mau ou bom, por isso stressar menos com o que nos parece inalcansável. Vamos tomar rédeas e conquistar desejos.

Vamos ser nós próprios numa versão melhor, porque não é 2018 que tem que ser melhor, nós temos que ser melhores, quanto mais não seja para connosco.

 

Aproveitem, divirtam-se. Este já lá foi, venha mais um que estou pronta para ele!

19
Dez17

Amor de Irmãos

Terminatora

A casa nunca mais ficou impecavelmente limpa pela semana. Nunca mais houve silêncio às 7h, às 19h, às 21h. Por vezes até de madrugada era quebrado o silêncio. E quando havia silêncio quando não o era de esperar, algo estava mal! Cereais pelo chão, roupas desarrumadas. Maquilhagem destruída. Caos. 

Quem não sabe o que é a balbúrdia em que fica uma casa com crianças? Quem não os tem, gostava de ter. Por ter os meus, não imagino como seria minha vida sem eles. Afinal, foram eles que me ensinaram o valor do amor de um irmão, foram eles que me ensinaram a ser responsável. Foram eles que me fizeram crescer. Ensinaram-me a cuidar, a limpar, a ser no fundo segunda mãe. 

Muitas vezes aborreci-me também. Discutimos. Ficamos de costas voltadas, porque por ter personalidades tão fortes ninguém queria ceder ao outro. Mas soubemos ultrapassar. Apesar das nossas diferenças, o amor que sentimos uns pelos outros prevalece. Com o passar dos anos consegui valorizar cada vez mais este amor. Aprendi, que não conviver diariamente com eles, me fazia mal. Eu sentia falta dos meus meninos. Sentia falta de os proteger e amar. Sentia falta de cuidar e olhar por eles.

 

Não éramos família de expressar sentimentos. Nunca fomos. Nunca soubemos como chegar a uns e outros. Mas hoje, digo-lhes sem medos. Amo-vos. Amo-vos imenso e tenho orgulho de vocês. Cada um tornou-se num ser humano muito especial e único. Cada vez mais a comunicação entre nós cresce, apesar da distância. Pela primeira vez, passo um Natal longe, e saber que não vou ouvir suas gargalhadas pela manhã.. Que não vou ficar em pijama com eles até à uma da tarde. Que não vamos experimentar o jogo de tabuleiro novo, juntos. Que não vamos almoçar e jantar todos juntos... deixa-me triste. Mas feliz. Estou imensamente feliz, porque construímos uma bela relação. Amores não me faltam... E não há maior amor que o da família. 

01
Dez17

The Shack

Terminatora

Ontem vi este filme. Numa altura mais conturbada da minha vida decidi comprar o livro com o mesmo nome "A cabana" em português e durante a sua leitura chorei algumas vezes. Imaginei que o mesmo fosse acontecer com o filme. Não me lembro da última vez que chorasse tanto com um filme. Os cenários e os actores são como tinha imaginado. A interpretação de Sam Worthington está fenomenal em todos os aspectos. Ele consegue nos transmitir tudo aquilo que sente, todos os seus desgostos, tristezas e alegrias. 

 

É um livro fundamentalmente cristão e para quem abomina religiões talvez queira se manter longe, tanto do filme, como do livro. Eu comprei-o céptica. Já não creio em nada, como tenho dito, além das minhas vontades e energias. Fiz uma leitura, esquecendo que se tratava de uma conversa com Deus e absorvi o essencial e foi-me extremamente útil na época. Nele são-nos apenas retratados os valores com que todo o ser humano deveria nascer e crescer, independentemente da sua religião. A base de toda a história é o amor. Toda a conversa gira em torno do amor. Que o amor é a base para qualquer relacionamento, qualquer acto, qualquer situação.

 

Sempre tive por "filosofia" de vida, tratar os outros, como eu gostava que me tratassem. E acredito na lei do retorno, aquilo que dás, será o que irás receber. Seja através de uma pessoa ou uma situação. Toda a gente tem as suas crenças, toda a gente acredita em algo. Eu acredito que de certa forma, estamos conectados e que precisamos uns dos outros. Se estamos de bom humor, contagiamos os outros com essa alegria. Já quando estamos cheios de energias negativas, o ambiente à nossa volta conspira sempre para nos tornar a vida ainda pior. Já tive provas infinitas disto, não só por experiências minhas, mas vendo outros sendo tão mesquinhos e negativos, sucedia-lhes sempre tantas coisas más de uma só vez, que até me dava pena! 

Ainda não consigo controlar as minhas próprias más energias e tenho dias que ainda explodo e contamino tudo à minha volta. Mas tenho noção daquilo que faço/digo e consigo apaziguar os "estragos" a tempo de evitar uma catástrofe. Não é um processo nada fácil, deixar-se contaminar somente por amor e energias boas. Especialmente se à nossa volta há demasiada negatividade, a tal ponto que nos sentimos engolidos por tal imensidão. 

Ter amor para dar e vender, um caminho nada fácil e sem fim. Mas consegue-se! Temos primeiro que querer e não se deixar derrotar pelas adversidades que surgem no processo. 

 

A história ensina-nos como nos amar de novo e amar os outros. Se estão necessitados de reaprender a amar, a se amar... Então vale a pena espreitar

19
Nov17

Adopções e abandonos

Terminatora

Dei por mim a pensar há uns dias, no crescente apelo (pelas redes sociais) da adopção de animais. De mãos dadas cresce também o apelo para não abandonar aqueles que já temos em casa. Que adoptemos aqueles que andam perdidos, concordo. Discordo completamente de quem faz negócio com a procriação de raças e estabeleça um preço pelos mesmos! Se é certo que há bastantes animais abandonados, não vamos estar a vender, quando se pode tirar um da rua gratuitamente! Abomino completamente a venda/compra. Se a fiscalização fosse maior, penso que muitas pessoas se dariam mal com este "negócio". Como amantes dos animais, estas pessoas deviam ter vergonha por participar em tal mercado cinzento. Porquê cinzento? Porque é ilegal, mas passa-se à frente de toda a gente, a bem dizer, à luz do dia! 

 

Mas a hipocrisia maior, será ver publicações que pessoas, que compram/vendem animais, partilham a favor de ajudar os animais, adoptar animais, contribuir para abrigos...etc! Não sei se essa será a maior hipocrisia. Vejo todos os dias, mas todos os dias mesmo (!) alguma coisa sobre os bichinhos. E apelamos à sua adopção, ao seu tratamento digno, ao castigo que se deve dar quando se maltrata um animal (concordo), às boas condições de vida que se lhe deve dar... E adoptar uma criança? Onde estão as campanhas, apelos, publicidade, partilhas para adoptar crianças? 

 

Se temos assim tanto amor para dar, porque não nos candidatamos à lista de adopção de crianças? Se conseguem dar 800 euros por um cão, pagar depois seu veterinário, comprar tudo o que ele precisa para casa, seus briquendos, sua comida e por aí adiante, porque não fazer um esforço maior e adoptar uma criança? Uma criança não é um animal, virão alguns dizer. Uma criança requer uma dedicação maior, uma despesa maior, um sacrifício maior, é tudo maior!  Não... é um desafio, que muitos cobardemente não têm capacidade de enfrentar, por isso as abandonam. E nós só nos lembramos delas quando chega o Natal. Ficamos com o coração apertado pelas campanhas publicitárias para angariar fundos para "instituições" e aí dizemos :"pobrezinhas, vamos lá dar uns troquinhos para lhes comprar uma prenda de Natal." Por 31 dias lembramo-nos que existem crianças abandonadas, que gostariam de ter um lar, uma família, um colo reconfortante, um abraço e um beijo antes de dormirem, uma figura que as proteja e guie, um amor incondicional. 

Por 31 dias aqueles que passam o ano a partilhar animaizinhos, lembram-se ah! Afinal existem crianças abandonadas...Oooh! Coitadinhas, tenho tanta pena, vou partilhar isto, para apaziguar o que sinto cá dentro. Dever cumprido! Que sensação!!!! 

 

Queremos o casamento gay, queremos punir os que maltratam animais, queremos legislação dura para quem não tem condições em casa de ter animais, queremos obrigatoriedade no tratamento digno dos animais! Tudo pelos animais!   Depois o processo de adopção de crianças é uma burocracia dolorosa e penosa. Queremos evoluir em termos de tecnologia, informação e modernices... Mas para se inscrever (!!) no processo de adopção de uma criança, é um percurso maior que ir daqui à Conchichina. O que posso concluir disto? A meu ver, não temos paciência para nos dedicarmos a outros. Se por um lado há aqueles que realmente não têm possibilidades económicas para cuidar de uma criança, por outro temos egocêntricos que nem fazem o esforço para dar um pouco de si aos outros. O meio termo está ocupado a negociar, se por o cão ter uma mancha no olho e fazê-lo ter um ar mais engraçado, há de cobrar mais por isso ou não. 

 

E é pela falta de interesse, empenho, luta pela parte da população, que os que governam não alteram o processo de adopção de crianças. Porque estamos mais preocupados com os animais, do que propriamente dar uma vida às crianças que não a têm. As prioridades deste país estão numa desorganização tremenda. E quem fala de Portugal, fala do resto do mundo. Não conseguimos mudar o mundo, mas podemos fazer alguma diferença na sociedade em que vivemos...se assim quisermos.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Extermínios antigos

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar